Análise da música Índios - Legião Urbana

A música índios da Legião Urbana nos proporciona a fazermos uma análise histórica através de sua letra.

Com a letra podemos analisar os primeiros anos de descobrimento do Brasil e um pouca da relação entre colonizador e colonizado. 




Índios 
Legião Urbana

       
Quem me dera ao menos uma vez
Ter de volta todo o ouro que entreguei a quem
Conseguiu me convencer que era prova de amizade
Se alguém levasse embora até o que eu não tinha



Os primeiros contatos entre os portugueses e os indígenas aconteceu de forma amigável, os portugueses acabaram utilizando esse comportamento dos índios para retirar as riquezas visíveis até o momento no caso o Pau-Brasil. 

Quem me dera ao menos uma vez
Esquecer que acreditei que era por brincadeira
Que se cortava sempre um pano de chão
De linho nobre e pura seda



Os indígenas sempre foram vistos como inocentes pelo branco principalmente pela igreja católica.


Quem me dera ao menos uma vez
Explicar o que ninguém consegue entender
Que o que aconteceu ainda está por vir
E o futuro não é mais como era antigamente



Com a chegada dos europeus a vida no continente americano mudou, muitos índios acabaram sendo escravizados ou mortos e os que sobreviveram tiveram que se deslocar para o interior do território. 

Quem me dera ao menos uma vez
Provar que quem tem mais do que precisa ter
Quase sempre se convence que não tem o bastante
Fala demais por não ter nada a dizer



A ambição do homem branco é uma das características que mais se diferencia da dos índios, o indígena na sua cultura não tem a necessidade de acumulação de bens.   

Quem me dera ao menos uma vez
Que o mais simples fosse visto
Como o mais importante
Mas nos deram espelhos e vimos um mundo doente



Um dos objetos que mais fizeram sucesso no escambo realizado entre os índios e os brancos foi o espelho. Essa cordialidade entre as duas culturas acabou levando a mudanças na vida do índio e no seu território.

Quem me dera ao menos uma vez
Entender como um só Deus ao mesmo tempo é três
E esse mesmo Deus foi morto por vocês
Sua maldade, então, deixaram Deus tão triste



Juntamente com os colonizadores chegou a religião católica principalmente através dos jesuítas que tinham como objetivo catequizar os nativos. 

Eu quis o perigo e até sangrei sozinho
Entenda
Assim pude trazer você de volta pra mim
Quando descobri que é sempre só você
Que me entende do início ao fim



A resistência indígena sempre existiu no Brasil, muitos tribos lutaram contra o colonizador, essa luta pela sobrevivência muitas vezes levou a morte de tribos inteiras.


E é só você que tem a cura pro meu vício
De insistir nessa saudade que eu sinto
De tudo que eu ainda não vi

Podemos entender como sendo saudades da época antes da chegada do colonizador. 

Quem me dera ao menos uma vez
Acreditar por um instante em tudo que existe
E acreditar que o mundo é perfeito
E que todas as pessoas são felizes

No treche podemos entender como uma alusão a vida indígena sem a presença do homem branco, com os nativos vivendo de acordo com sua cultura.  

Quem me dera ao menos uma vez
Fazer com que o mundo saiba que seu nome
Está em tudo e mesmo assim
Ninguém lhe diz ao menos obrigado

Os índios tem uma visão de mundo diferente da do homem branco com mais responsabilidades em relação ao planeta.

Quem me dera ao menos uma vez
Como a mais bela tribo
Dos mais belos índios
Não ser atacado por ser inocente



Muitos índios foram atacados pelos europeus principalmente em busca de mão-de-obra escrava, seja, para trabalhar nos primeiros engenhos de açúcar ou mesmo para serem enviados para Europa como seres exóticos.

Eu quis o perigo e até sangrei sozinho
Entenda
Assim pude trazer você de volta pra mim
Quando descobri que é sempre só você
Que me entende do início ao fim


A resistência indígena sempre existiu no Brasil, muitas tribos lutaram contra o colonizador, essa luta pela sobrevivência muitas vezes levou a morte de tribos inteiras.


E é só você que tem a cura pro meu vício
De insistir nessa saudade que eu sinto
De tudo que eu ainda não vi

Podemos entender como sendo uma saudade de uma época antes da chegada do colonizador.

Nos deram espelhos e vimos um mundo doente
Tentei chorar e não consegui

Nesse último trecho vemos a mudança no mundo indígena com o índio enxergando o resultado da exploração do Brasil.



Sobre o Autor:
Felipe Carreira
Felipe Carreira. Historiador e técnico em informática. Especialista em uso de mídias e tecnologias em educação. Estuda sobre a pirataria no Atlântico com ênfase no século XVII e XVIII. Criador deste espaço virtual para o GEACB. Produz vídeos e documentários sobre a História da América,.

30 comentários:

  1. Filipe, muito interessante essa análise da música índios do Legião. Adicionei algumas observações suas com outras questões que faço sobre essa música para trabalhar com os meus alunos do ensino médio. Um forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço o comentário! Saber que à postagem serviu de alguma forma para enriquecer as tuas aulas deixa o GEACB bastante contente. Abraço!

      Excluir
  2. Olá, ajudei de muita ajuda sua análise. Retirei alguns trechos para trabalhar com minha turma. Parabéns pela análise.

    ResponderExcluir
  3. Excelente interpretação!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns colega, seu trabalho está excelente.

    ResponderExcluir
  5. Muito bom, excelente pra trabalhar em sala de aula. Aliás esta é uma das músicas que trabalho em sala.
    Marize Guarani.

    ResponderExcluir
  6. além dessa também já trabalhei nas minhas aulas de História Fábrica, A canção do Senhor da guerra e Que país é esse?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente são músicas muito boas para trabalhar em sala de aula com os alunos. Inclusive no nosso blog se encontra-se também a análise da música que país é esse da Legião Urbana.

      Excluir
  7. Legal a analise, mas não é a toa que o nome da música, "Índios", é escrito entre aspas no disco. Na minha interpretação, é uma metáfora pra falar de nós, "homem branco", nosso "eu" doente, refletido no espelho, e nossas crenças, onde por exemplo é possível, um só Deus ao mesmo tempo ser três, ou ter um criador de tudo, que ninguém ao menos agradece. E o refrão, é justamente uma reflexão sobre esse "eu" vivendo num mundo assim, perante o seu criador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito boa análise,a letra é linda,e fala a verdade quando fala "que seu nome está em tudo e mesmo assim ninguém ao menos diz obrigado"entendo a relação da humanidade com Deus,achei legal falar da história do nosso país é desse bravo povo.

      Excluir
    2. Muito boa análise,a letra é linda,e fala a verdade quando fala "que seu nome está em tudo e mesmo assim ninguém ao menos diz obrigado"entendo a relação da humanidade com Deus,achei legal falar da história do nosso país é desse bravo povo.

      Excluir
  8. Podemos fazer várias interpretações com essa ótima música. No caso aqui fiz uma interpretação focando a história do contato do índio com o branco para servir como forma de aprendizado em sala de aula.

    O GEACB que agradece o seu comentário!

    ResponderExcluir
  9. Muito boa a correlação co a historia do Brasil, mas depois de assistir um documentário sobre a vida dele, na minha opinião, tem outra visão totalmente diferente. Mas parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa interpretação, mas também acho que há outra visão, outra interpretação. Ele fala muito sobre a figura de Deus em suas composições. Achei mais voltada pra isso, Pra figura Deus/ser humano. "Eu quis o perigo e até sangrei sozinho... Entenda-Assim pude trazer você (o homem) de volta pra mim" Quando Jesus morre pra dar sua vida pelo homem"
      "Quem me dera, ao menos uma vez
      Fazer com que o mundo saiba que seu nome
      Está em tudo e mesmo assim
      Ninguém lhe diz ao menos obrigado"
      Foi a minha humilde interpretação.

      Excluir
    2. Boa interpretação, mas também acho que há outra visão, outra interpretação. Ele fala muito sobre a figura de Deus em suas composições. Achei mais voltada pra isso, Pra figura Deus/ser humano. "Eu quis o perigo e até sangrei sozinho... Entenda-Assim pude trazer você (o homem) de volta pra mim" Quando Jesus morre pra dar sua vida pelo homem"
      "Quem me dera, ao menos uma vez
      Fazer com que o mundo saiba que seu nome
      Está em tudo e mesmo assim
      Ninguém lhe diz ao menos obrigado"
      Foi a minha humilde interpretação.

      Excluir
  10. Adorei! Vou usar em sala

    ResponderExcluir
  11. O Renato fez essa música após tentar suicídio cortando os pulsos. "Eu quis o perigo e até sangrei sozinho..." e a narrativa do que de fato aconteceu. Fala de suas angustias "Quem me dera ..." e também de sua relação com Deus "Quando descobri que é sempre só você que me entende do inicio ao fim, e é só você que tem a cura do meu vicio de insistir de saudade que eu sinto de tudo que ainda não vi" (O titulo "Índios" é só uma metáfora)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mesmo sendo uma metáfora se encaixa muito bem na proposta do ensino da história.

      O GEACB agradece o seu comentário!

      Excluir
  12. Queria saber os pontos positivos da música, quais são?

    ResponderExcluir
  13. Queria saber que tipo de temas sociais se encaixaria perfeito com base na música ?

    ResponderExcluir
  14. Muito boa a análise, me ajudará bastante em alguns trabalhos de português e história

    ResponderExcluir
  15. Uma das melhores letras já escritas em nossa música. Conta sobre a descoberta de algo novo, que parece bom à primeira vista mas que termina em destruição ( mitos, verdades absolutas, crenças e sanidade mental/saúde, dentre outras).
    Para explicar essas descobertas da destruição Renato Russo conta mais de uma história em uma. Fica claro, para os que já tiveram contato com a droga, que ele se refere quase em todo o texto ao uso/descoberta da cocaína e faz um brilhante paralelo com a colonização, tratando os índios como a pureza que se tem antes de nossos sentidos serem aprimorados e, por fim, devastados pelas drogas.
    'Eu quis o perigo e até sangrei sozinho', 'Nos deram espelhos e vimos um mundo doente', 'Quem me dera ao menos uma vez, que o mais simples fosse visto como o mais importante, mas nos deram espelhos e vimos um mundo doente'.
    Aspirar o pó em cima de um espelho/peça de vidro é algo muito comum.

    E temos outras 'pistas' contundentes no decorrer da letra:
    'Quando descobri que é sempre só você que tem a cura pro meu vício..' '...que me entende do início ao fim', '...quase sempre se convence que não tem o bastante e fala demais por não ter nada a dizer'.

    Tudo nesse letra é genial. O paralelo entre a inocência perdida com o uso das drogas e aquela perdida pelos índios com o contato com a civilização é, principalmente, o que transforma essa música numa obra-prima.

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E, complementando, fica claro o porquê do título da música estar entre aspas. Alem dos índios, os personagens da canção também são os "índios".
      Reitero a genialidade da letra, além de ter uma melodia muito bonita e boa de se ouvir, combinadas com o vocal profundo e marcante do Renato.
      A relação entre colonizador e colonizado também é tratada por outro ponto de vista, este também tão devastador quanto foi, para a cultura indígena, o contato com o homem branco.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...